Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



N2.png

 

A ROTA EN2 ... "Bloco de Notas"

(Tour In Village)

 

en2.Lousa.png

Lousa.RentaCar.png

Lousa.Transferes.png

Lousa.Tours.png

TourInVillage.png

TOUR ALDEIAS DO XISTO

(3 hora aproximadamente)

Estrada da Serra - Aldeia Chiqueiro - Miradouro "Isto é Lousã"

Aldeia Casal Novo - Aldeia Talasnal (visita) - Moldura "Isto é Lousã"

 

TOUR ALDEIAS DO XISTO E BALOIÇO

(3 hora aproximadamente)

Estrada Castanheira - Miradouro Piedade

Candal - Baloiço - Cerdeira

 

TOUR CASTELO

(1 hora aproximadamente)

Castelo Arouce

Vila da Lousã (zona histórica) - Quinta do Meiral (Licor Beirão)

 

TOUR CASTELO

(1h30 aproximadamente)

Castelo (visita) - Ermidas (visita)

Piscinas Naturais (baloiço) - Quinta do Meiral (Licor Beirão)

 

TOUR CULTURA

(2h30 aproximadamente)

Vila da Lousã - Zona Histórica - Museu - Castelo de Arouce

 

TOUR PRAIAS

(2 horas aproximadamente)

Casal Ermio - Serpins - Camping

 

https://tourinvillage.com/

 

N2.png

 

A ROTA EN2 ... "Bloco de Notas"

(Isto é Lousã)

 

Projeto Isto é Lousã

Miradouros a visitar na Serra da Lousã

 
sample
 
 “Isto é Lousã” fica no ouvido.
 
Este projeto foi criado, para contribuir na visibilidade e no embelezar da Serra. Para tal, foram criadas várias instalações de madeira espalhadas pela serra que se tornaram locais de atracção.

A mais conhecida destas instalações é o baloiço a 1200 metros de altitude, perto do Trevim.
 
 
sample
 
 
Aqui temos uma vista fantástica sobre o vale, sentido que estamos a baloiçar quase sobre o vazio.

Existe um outro baloiço em frente a uma pequena cascata na piscina fluvial da Senhora da Piedade. 

Pode contemplar a Moldura Isto é Lousã na estrada que vai ter ao Talasnal e as Letras Isto é Lousã junto a Aldeia de Xisto Chiqueiro.
 
sample

As instalações artísticas do projecto “Isto é Lousã” levam-nos a conhecer e a desfrutar de lugares, que se não fosse este projecto, muito provavelmente, não conheceríamos ou não chegaríamos a parar para contemplar a paisagem.
 
 
--- :::::::::: ---
 
Baloiço da Sra da Piedade – Isto é Lousã
 
 

Construído pelo projeto Isto é Lousã, este baloiço fica situa-se no Complexo da Sra da Piedade, junto às Piscinas Naturais. Está instalado sobre as águas da Ribeira de São João, sendo um local de rara beleza natural e um óptimo spot para tirar as melhores fotos.

 

O Isto é Lousã é um projeto de dois jovens lousanenses que consiste na intenção de reaproveitar espaços com potencial que não estão a ser aproveitados, dando-lhes uma nova vida, através da inserção de algo especial.

https://cm-lousa.pt/locais/baloico-da-sra-da-piedade-isto-lousa/

--- :::::::::: ---

Baloiço do Trevim – Isto é Lousã

 

Construído pelo projeto Isto é Lousã, este baloiço fica no Alto de Trevim, o ponto mais alto da Serra da Lousã, no distrito de Coimbra. A 1.200 metros de altitude, este baloiço gigante de madeira é o local ideal para tirar fotografias originais para o Instagram.

 

O Isto é Lousã é um projeto de dois jovens lousanenses que consiste na intenção de reaproveitar espaços com potencial que não estão a ser aproveitados, dando-lhes uma nova vida, através da inserção de algo especial.

 https://cm-lousa.pt/locais/baloico-do-trevim-isto-lousa/

Relacionados:

https://www.nit.pt/fora-de-casa/na-cidade/8-sitios-em-portugal-que-fazem-disparar-os-likes-no-seu-instagram/attachment/145339

 

 

https://tourinvillage.com/

 

 

Relacionados:

 

https://viagensimperfeitas.home.blog/2020/09/18/isto-e-lousa/

 

-------------------

https://www.jornaldabeira.net/camara-de-viseu-vai-recuperar-marcos-da-en2-no-concelho-para-levar-turistas-as-aldeias/

https://www.rotan2.pt/news/46

https://galp.com/pt/pt/particulares/estrada/para-descobrir/detalhe/Roteiro-completo-para-conhecer-a-EN2

-------------------

 

-------------------

http://www.cm-tondela.pt/index.php/municipio/noticias/item/4409-faca-parte-da-rede-de-agentes-da-rota-da-estrada-nacional-2

https://ne-np.facebook.com/municipiodetondela/posts/3535541339919886/

https://www.cm-vianadoalentejo.pt/visitante/projetos-turisticos/rota-da-en2/

https://www.sjhotel.pt/percorrer-estrada-nacional-2.html

-------------------

 

-------------------

Noticia postada no site do Municipio de Santa Comba Dão (14-11-2016)

Santa Comba Dão integra

maior projeto turístico de Portugal

14 Nov '16 - Notícias
 

Santa Comba Dão é um dos municípios, de vários pontos do país, que assinaram a escritura da Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, no dia 5 de novembro, encerrando assim a primeira fase do maior projeto turístico de Portugal que une as cidades de Chaves a Faro.

 
capa noticia EN2
 

A escritura decorreu em Santa Marta de Penaguião e contou com a presença do Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, e de representantes dos municípios aderentes. A representar o Município de Santa Comba esteve o presidente da Câmara Municipal, Leonel Gouveia.

O autarca penaguiense e líder do projeto, Luís Machado, mostrou-se bastante satisfeito com o resultado de dois anos de trabalho, “este é um dia histórico para o poder local de Portugal”, frisando e ressalvando ainda que este projeto “é um projeto de 31 municípios sendo a humanização e internacionalização da EN2 um dos objetivos primordiais do mesmo”.

Por seu lado, o Secretário de Estado parabenizou todo o processo desenvolvido em torno do projeto, o seu mentor, bem como louvou a preocupação dos autarcas envolvidos na valorização do património local. Frisou saber perfeitamente o quão difícil é conseguir trabalhar com e numa Associação de Municípios acabando assim por dar ainda mais valor à recém-criada Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2. “Esta associação é realmente um feito magnífico, extraordinário. Parabéns!”

noticia EN2

Antes do descerramento simbólico e comemorativo da réplica do marco e da foto de família, o Salão Nobre dos Paços do concelho de Santa Marta de Penaguião recebeu a primeira assembleia geral da Associação na qual se elegeram os órgãos socais da mesma: o Conselho Diretivo, o Conselho Fiscal e a Assembleia Geral.

Refira ainda que a sessão de boas vindas ficou a cargo dos Cavaquinhos da Universidade Sénior de Vila Pouca de Aguiar, à qual se seguiu o ato da escritura da Associação e dos discursos protocolares. O encerramento da sessão protocolar, foi da responsabilidade do grupo CANTE de Almodôvar, grupo inteiramente feminino, com elementos dos 10 aos 80 anos, com entoação de cânticos do seu concelho, abrilhantando e diversificando a cerimónia.

noticia EN2 1

A amostra cultural da EN2 continuou com a atuação da Banda Musical da Cumieira de Santa Marta de Penaguião que acompanhou a comitiva até ao Fórum de Atividades, onde foi depois recebida pela Confraria Grão Vasco de Viseu e pela Banda Filarmónica de Pedrogão Grande.

 

Sendo a Estrada Nacional 2 um palco recheado de boa gastronomia decorreu, no Fórum de Atividades penaguiense, uma amostra gastronómica na qual estiveram presentes os Municípios de Vila Pouca de Aguiar com os seus doces de Castanha, Viseu com os viriatos, Pedrogão Grande com o bucho, Sertã com o maranho e, claro está, Santa Marta de Penaguião com o seu vinho, entre outras iguarias.

Para encerrar este dia memorável, o jantar ficou a cargo do Município de Almodôvar que presentou todos os participantes com o seu “jantarinho de Grão”, oferecido e confecionado por duas cozinheiras almodovarenses que se deslocaram até a vila de Santa Marta de Penaguião e receberam cerca de 300 pessoas que comungaram da inesquecível experiência.

-------------------

Noticia postada no site do Municipio de Santa Comba Dão (23-07-2019)

Santa Comba Dão

na rota da Estrada Nacional 2

23 Jul '19 - Notícias
 
Santa Comba Dão na rota da Estrada Nacional 2
 

Santa Comba Dão é um dos municípios atravessados pela Estrada Nacional 2 (EN2) - a histórica estrada  mais longa da Europa,  que conduz o visitante de norte a sul do país, ao longo de 738 km. Com uma localização privilegiada, Santa Comba Dão é o local ideal para uma paragem relaxante, o destino certo para desfrutar de uma paisagem deslumbrante, um território de eleição para viver a história e o património.

A Rota da Estrada Nacional 2 (EN2)

Sempre pelo interior, de Chaves a Faro, a EN2 é uma rota turística nacional e internacional, que desvenda retalhos de um Portugal de paisagens, história, cultura e gentes.

As características únicas da estrada - que para alguns corresponde à versão portuguesa da lendária Route 66 - levaram, no ano passado, a  conceituada editora de Guias Turísticos Frommer’s a elegê-la como um dos 19 locais a visitar em todo o Mundo.

Esta distinção reflete todo trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, onde se inclui Santa Comba Dão,  e traduz, igualmente, uma oportunidade singular para atrair mais turismo aos  concelhos abrangidos, para rentabilizar as ofertas turísticas, produtos e, consequentemente, para melhorar a qualidade de vida dos habitantes.

 

-------------------

Nota postada no site do Municipio de Santa Comba Dão (06-10-2021)

Construção de separador no Chamadouro

Foi requalificado o entroncamento, localizado à entrada da localidade do Chamadouro, com a co-locação de novo separador em lancil, reposição de tapetes e recolocação de marco da Nacional 2.

Obras e trabalhos diversos

-------------------

 

-------------------

Noticia postada no site do Municipio de Mortagua

https://www.cm-mortagua.pt/modules.php?name=News&file=article&sid=2120

Rota da EN2 é um sucesso

e está a alavancar o turismo em Mortágua

2020-08-14
Fonte: Câmara Municipal de Mortágua

A Rota da EN2 está a mexer com os territórios servidos por esta via, sendo bem visível em Mortágua o acréscimo de visitantes nas ruas. Fazem-se acompanhar com o passaporte oficial da Rota (um pequeno livrinho amarelo), um indicador de que são viajantes da Nacional 2. Um dos objetivos da visita é carimbar o passaporte num dos locais onde está disponível, nomeadamente Câmara Municipal e Posto de Turismo, e ao mesmo tempo aproveitam para conhecer um pouco mais do concelho, almoçar num restaurante local, visitar o Centro de Interpretação das “Invasões”, a zona antiga da Vila. A quem se desloca à Câmara Municipal e ao Posto de Turismo é ainda distribuída diversa informação turística do concelho, convidando a uma nova visita e estadia mais prolongada

en2.Mortagua.png

Desde o início do ano até à segunda semana de agosto foram carimbados cerca de 1500 passaportes e praticamente todos os dias chegam novos viajantes que estão a percorrer a rota. A maioria escolhe como ponto de partida a cidade de Chaves (Km 0), rumando em direção ao final da rota, situada em Faro (Km 738).

O presidente da Câmara Municipal, Júlio Norte, refere que a criação da Rota da EN2 “é uma aposta ganha” que está a dinamizar os territórios servidos por esta via, trazendo mais turistas aos concelhos do Interior do País e dando a descobrir um outro Portugal menos conhecido, que não se vê das autoestradas e dos IP´s, mas que tem paisagens, gastronomia e património singulares. À promoção turística dos territórios juntam-se os benefícios económicos, frisando que a presença dos turistas da EN2 tem um impacto muito positivo nos setores da Restauração e Alojamento. “Mortágua já sente hoje esses benefícios, sobretudo nestes meses de verão, que é o período preferido para fazer estas grandes viagens. Temos recebido centenas de turistas da Rota da Nacional 2, vindos de todo o país, além de turistas espanhóis e italianos”. Segundo Júlio Norte, esse impacto positivo no turismo local torna-se mais relevante num ano marcado pela pandemia da covid-19, com os portugueses a darem preferência às férias dentro do país e a escolherem destinos menos massificados. “A Rota da EN2 enquadra-se perfeitamente neste novo paradigma do turismo e está a alavancar o turismo no Interior do País”, afirma.

Mortágua integra um conjunto de rotas turísticas, como a EN2, a Grande Rota do Bussaco, a Rota da Espiritualidade (Caminhos de Santiago), a que se vai juntar a futura Ecovia do Mondego (obra já lançada). Júlio Norte salienta que o concelho possui hoje vários produtos turísticos com forte capacidade de atração de visitantes, desde as várias Rotas, a Albufeira da Aguieira, os Percursos Pedestres, os Trilhos de BTT, até à Gastronomia e ao Património (temática das Invasões Napoleónicas). “Mortágua tem hoje uma oferta turística mais abrangente, diversificada e atrativa, que permite esbater os efeitos do chamado turismo sazonal e atrair turistas de um espectro mais alargado de interesses”

 

-------------------

 

-------------------

https://www.impulsiveaddiction.com/guia-en2-roteiro/

 

 

Santa Comba Dão é uma linda cidade plantada nas margens do rio Dão. Famosa por ser a terra natal de António Oliveira Salazar. O seu centro histórico é cativante, perca-se por lá. Não deixe de passear nas margens do rio Dão. Fora do centro, na outra margem do rio visite a casa onde nasceu Salazar. A caminho de Penacova a EN2 está submersa com a construção da Barragem da Aguieira, o trajeto a seguir é a IP3. Não são muitos quilómetros, mas perdemos a EN2 por um pouco. Aproveite para uma breve paragem na Albufeira da Barragem da Aguieira que esconde a Livraria do Mondego, a disposição das rochas parece criar uma estante de livros (roteiro-a gentes em viagem) http://www.a-gentesemviagem.com/portugal-1/en2-roteiro/

Aguieira.png

A Barragem

A Barragem da Aguieira / Foz do Dão é uma barragem de betão do tipo "arcos múltiplos"; é formada por três arcos e dois contrafortes centrais, nos quais se situam os dois descarregadores de cheia. Tem 89 metros de altura acima da fundação e o comprimento do coroamento é de 400 metros. O coroamento situa-se 125 metros acima do nível do mar. O volume da barragem é de 365 000 000 m3. A barragem contém 2 descarregadores de cheia (caudal máximo de descarga de 2 080 m3/s) e um descarragador de fundo (caudal máximo de 180 m3/s).

A Albufeira

A um nível de pleno armazenamento de 117 m (nível de máxima cheia 126 m), a albufeira da barragem tem uma superfície de 20 km2 e uma capacidade total de 423 milhões de m3. A albufeira estende-se pelos municípios de Penacova, Carregal do Sal, Mortágua, Santa Comba Dão, Tábua e Tondela. A capacidade útil da albufeira é 304 (216) milhões de m3. O nível mínimo de exploração é 100 m. Com 216 milhões de m3, 39,2 GWh podem ser produzidos.

A albufeira submergiu as aldeias de Breda (município de Mortágua) e Senhora da Ribeira e Foz do Dão (município de Santa Comba Dão). De facto, devido à extrema proximidade do paredão da barragem em relação a esta última aldeia, há quem defenda que a barragem deveria ser denominada de Barragem da Foz do Dão, numa homenagem ao que foi submerso pela albufeira.

Através da albufeira, estabelece-se o fornecimento de água aos municípios vizinhos, designadamente à cidade de Coimbra. Ainda que com algumas restrições, nas suas águas desenvolvem-se várias actividades de recreio e lazer, tais como a pesca, banhos e natação, navegação à vela e a remos, pelo que não é de admirar a alta afluência de pessoas que a ela se dirigem.

A Central Hidroelétrica

A central hidroelétrica entrou em funcionamento em 1981. É uma central hidroeléctrica reversível. Pertence à Companhia Portuguesa de Produção de Eletricidade e é operada pela EDP e pela Iberdola. A capacidade instalada de produção de energia eléctrica é de 270 ou 336 MV. A produtibilidade média anual é 209,9 GWh.

A central hidroelétrica contém 3 turbinas de Francis cada uma com 112,4 MW de potência nominal. A velocidade nominal das turbinas é 125 rpm. A queda bruta mínima é de 53,4 m e a máxima de 71,6 m. O caudal máximo por turbina é de 180 m3/s.

A Barragem da Raiva é o contra-embalse da Barragem da Aguieira / Foz do Dão. Quando as turbinas da Aguieira bombeiam água de jusante para montante, cada turbina tem uma potência máxima aborvida de 91 kW e um caudal máximo de 156 m3/s.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Barragem_da_Aguieira)

 

 

Junto à histórica Estrada Nacional 2, em Rojão Grande, Santa Comba Dão, encontramos um painel de azulejos que identifica a Fábrica de Plásticos FAVIR. Fundada em 1961, a empresa foi buscar o seu nome à antiga Fábrica de Lã d'Aço Viriato, que laborou em Cabanas de Viriato, Carregal do Sal, nos anos 50. Desde 1964 que a FAVIR não se dedica aos plásticos, mas sim aos produtos de limpeza derivados do arame de aço. Tendo começado por fornecer matéria-prima à Colgate-Palmolive para a produção do esfregão Bravo, mais tarde viria a comprar a maqui­naria ao cliente e a produzir o famoso esfregão impregnado com sabão nas suas instalações.

 

Atualmente a FAVIR exporta a maior parte da sua produção para praticamente todos os países europeus e africanos de língua oficial portuguesa. Segundo o neto do fundador, hoje à frente do negócio, o segredo para o sucesso está na matéria-prima e na dedicação dos colaboradores, alguns com mais de 40 anos de serviço na firma. Com o pensa­mento nas próximas gerações, os materiais residuais da unidade fabril são reciclados ou reutiliza­dos, como é o caso dos pedaços de arame, vendidos a empresas dedicadas à construção civil.

 

 

A acompanhar este exemplar, encontra-se um segundo painel azulejar com a inscrição "Labor Omnia Vincit" (O Trabalho Vence Tudo), assinado pela Lufapo Coimbra. Este esteve aplicado nas instalações da Fornecedora de Farinhas Limitada, adjacentes à Aliança Comercial da Beira (Vimi­eiro), até ser adquirido à Câmara Municipal, por volta de 2012.

N2.png

 

A ROTA EN2 ... "Bloco de Notas"

(Imagens da Estrada Nacional 2)

 

Imagem 01 - Hotel da Montanha em Pedrógao Pequeno (Sertã)

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 02

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 03 - Santuário da Senhora da Ouvida (Castro Daire)

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 04

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 05 - Estação Ferroviária do Peso da Régua

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 06

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 07 - Penacova

Nenhuma descrição disponível.

 

Imagem 08 - Fabrica de Plasticos Favir em Rojão Grande (Santa Comba Dão)

Nenhuma descrição disponível.

https://blogandoimagem.blogs.sapo.pt/fabrica-de-plasticos-favir-67600

 

Imagem 09 - Escola Cantina Salazar em Vimieiro - Santa Comba Dão

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 10 - A fonte da água do empréstimo em Vimieiro - Santa Comba Dão

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 11

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 12 - Miradouro Outeirinho (Santa Comba Dão)

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 13 - Painel em Santa Comba Dão

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 14

Nenhuma descrição disponível.

 

Imagem 15 - Fonte S. Martinho (Termas de S. Pedro do Sul)

Nenhuma descrição disponível.

https://asfontesdaminhavida.blogs.sapo.pt/fonte-de-sao-martinho-termas-de-sao-83479

 

Imagem 16

Nenhuma descrição disponível.

Imagem 17

Nenhuma descrição disponível.

 

 

 

Percurso1.png

Percurso2.png

Ramais da N2

O Plano Rodoviário Nacional de 1945, para além de criar a N2, criou também 5 ramais provenientes desta estrada (numerados de N2-1 a N2-5). Em 1957 foi criado um sexto ramal (N2-6),[24] em 1963 foi criada a N2-7[25] e em 1965 foi criada a N2-8.[26] Na sequência da entrada em vigor do Plano Rodoviário Nacional de 1985, todos estes ramais foram desclassificados para estradas municipais. O Plano Rodoviário Nacional de 2000 reclassificou a M2-6 para estrada regional (R2-6).[6]

en2.Ramais.png

Notas

  1.  A N2 cruza com a N125-10 a norte de Faro. Cerca de 1 km a norte desse nó localiza-se o cruzamento de Chelote, zona onde a N2 pertence à empresa estatal Infraestruturas de Portugal.[16] Cerca de 1 km a sul do nó com a N125-10 localiza-se (em zona urbanizada) o cruzamento para a Escola Secundária Pinheiro e Rosa, zona onde o traçado da antiga N2 pertence ao município de Faro (M2).[17]

 

Referências

  1. ↑ Ir para:a b c «Decreto-Lei n.º 182/2003, de 16 de Agosto». Diário da República — I série-A. 16 de agosto de 2003. Consultado em 11 de janeiro de 2019
  2. ↑ Ir para:a b c d Zúquete, Eduardo (Setembro de 2016). «Testemunho histórico do Eng. Eduardo Zúquete sobre os transportes terrestres». ADFERSIT. Consultado em 26 de setembro de 2019Cópia arquivada em 26 de setembro de 2019
  3.  «A Estrada Nacional 2»Marafado. 25 de fevereiro de 2010. Consultado em 30 de maio de 2016
  4.  «Decreto-Lei n.º 380/85, de 26 de Setembro» (PDF). Diário da República — I série. 26 de setembro de 1985. Consultado em 11 de janeiro de 2019
  5.  N2 - Ponte sobre a ribeira de Codes, indicando a data de construção.
  6. ↑ Ir para:a b «Decreto-Lei n.º 222/98, de 17 de Julho». Diário da República, I série-A. 17 de julho de 1998. Consultado em 11 de janeiro de 2019
  7.  «Lei n.º 98/99, de 26 de Julho». Diário da República, I série-A. 26 de julho de 1999. Consultado em 11 de janeiro de 2019
  8. ↑ Ir para:a b c Melo, Luís (2003). «Lanço da EN 2 – Almodôvar e São Brás de Alportel – Recuperação da 1.ª Estrada-Património Portuguesa» (PDF). Pedra & Cal (19): 12-13. Consultado em 11 de janeiro de 2019
  9.  http://www.cm-smpenaguiao.pt/noticias/associacao-de-municipios-da-rota-da-e-n-2-criada-em-santa-marta-de-penaguiao/
  10.  «Avança elaboração do Projeto de Requalificação da EN2 - de São Brás de Alportel ao acesso à Via do Infante e Faro». Município de São Brás de Alportel. 9 de abril de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019
  11.  Google (s.d.). ««Google Maps». » (Mapa). Direções — Santa Marta de Penaguião a N2, Peso da Régua. Consultado em 7 de julho de 2019
  12.  Google (s.d.). ««Google Maps». » (Mapa). Direções — N2 a N2. Consultado em 7 de julho de 2019
  13.  Google (s.d.). ««Google Maps». » (Mapa). Direções — N2, Sertã a N2, Abrantes. Consultado em 7 de julho de 2019
  14.  Google (s.d.). ««Google Maps». » (Mapa). Direções — N2, 7600-204 Ervidel a N2, Aljustrel. Consultado em 7 de julho de 2019
  15.  Google (s.d.). ««Google Maps». » (Mapa). Direções — N2, Castro Verde a Estr. São Brás de Alportel. Consultado em 7 de julho de 2019
  16.  «Faro: Cruzamento do Chelote está em obras para eliminar «ponto negro rodoviário»». Sul Informação. 26 de junho de 2018. Consultado em 7 de julho de 2019
  17.  «Município requalifica entrada de Faro pela EN2». Câmara Municipal de Faro. 1 de dezembro de 2015. Consultado em 7 de julho de 2019
  18.  Google. ««Google Maps». » (Mapa). Direções — E80, São Cipriano a IP5, Viseu
  19.  Simões, António (11 de maio de 2001). «VISEU: MOTARDES - IP3/IP5». Lusa. Consultado em 7 de julho de 2019
  20.  «Faro e Chaves "mantêm a distância" para estimular turismo ao longo da EN2»Sul Informação. 22 de maio de 2016. Consultado em 30 de maio de 2016
  21.  «Sertã: Estrada Nacional 2 comemora 71 anos de Classificação»diariodigitalcastelobranco.pt. Consultado em 30 de maio de 2016
  22.  Ministério das Obras Públicas e Comunicações - Gabinete do Ministro (11 de maio de 1945). «Decreto-Lei n.º 34593». Diário do Govêrno n.º 102/1945, 1º Suplemento, Série I de 1945-05-11
  23.  «Lista de estradas geridas pela IP» (PDF)
  24.  Ministério das Obras Públicas - Gabinete do Ministro (23 de janeiro de 1957). «Decreto-Lei n.º 40985». Diário do Governo n.º 19/1957, Série I de 1957-01-23
  25.  Ministério das Obras Públicas - Junta Autónoma de Estradas (19 de março de 1963). «Decreto n.º 44924». Diário do Governo n.º 66/1963, Série I de 1963-03-19
  26.  Ministério das Obras Públicas - Gabinete do Ministro (14 de maio de 1965). «Decreto-Lei n.º 46392». Diário do Governo n.º 132/1965, Série I de 1965-06-14
  27.  Esta estrada encontra-se regionalizada de acordo com o Plano Rodoviário Nacional (ver referência 4)

 

N2.png

 

A ROTA EN2 ... "Bloco de Notas"

(Historial)

 

EN 2 ou N2 ou Estrada Nacional 2, é uma estrada nacional que integra a rede nacional de estradas de Portugal. Atualmente, a N2 consiste de 5 troços separados entre si: Santa Marta de PenaguiãoPeso da Régua (A24), Góis (N342)–Portela do Vento (N112), Sertã (IC8)–Abrantes (IP6), Ervidel (N18)–Aljustrel (N263) e Castro VerdeFaro [1], num total de 738,5 km.

A N2 foi criada pelo Plano Rodoviário Nacional de 1945 com o objetivo de ligar Chaves a Faro. Grande parte da N2 resultou da renumeração de estradas já existentes, mas alguns troços foram construídos nas décadas seguintes. Com um comprimento inicial de 739,260 km, a N2 era então a mais longa estrada do Estado, atravessando Portugal continental de norte a sul, "cortando" o país ao meio entre o este o oeste e cruzando 11 dos 18 distritos. No entanto, se em Trás-os-Montes e Alto Douro e no distrito de Viseu a N2 cruzava capitais de distrito (Vila Real e Viseu) e cidades de média dimensão (Chaves e Lamego), a sul dessas regiões (i.e. aproximadamente nos restantes 500 km), a estrada desenvolvia-se longe de qualquer cidade principal até perto do seu fim em Faro, entroncando com a N125. A N2 nunca teve um tráfego autónomo que justificasse a sua importância no Plano de 1945 e a longa Estrada Nacional acabou por se tornar numa coleção sequencial de troços regionais.[2] O falhanço da N2 neste aspeto provou que a principal ligação entre as regiões do norte e do sul de Portugal deveria sempre cruzar a área metropolitana de Lisboa (como hoje acontece com o IP1 e o IC1).[2] Os Planos Rodoviários Nacionais de 1985 e de 2000 modificaram profundamente a classificação da rede de estradas portuguesas. Com efeito, em Trás-os-Montes e Alto Douro e no distrito de Viseu, esses documentos criaram a estrada rápida IP3, que segue paralela à N2. No entanto, a sul destas duas regiões, praticamente nenhuma estrada principal segue o eixo da antiga N2. Com efeito, atualmente, quase todos os troços da N2 foram desclassificados para estradas regionais (R2) ou municipais (M2) e só cerca de 180 km foram mantidos como estrada nacional, num total de cinco troços.

No século XXI tem havido uma revitalização da antiga N2 para fins turísticos. Em 2003 o troço entre Almodôvar e São Brás de Alportel foi renovado e classificado como Estrada Património. Em 2016, foi criada a Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, que engloba os 33 municípios que eram atravessados pela N2 no seu traçado original, e que tem como objetivo dinamizar o turismo ao longo deste itinerário. Devido à sua extensão, a N2 atravessa paisagens bastante variadas, no contexto de Portugal. Com efeito, esta estrada tem sido muitas vezes comparada (embora a uma escala muito menor) à Ruta 40 (Argentina) ou à Route 66 (E.U.A.).

EN2.Indice.png

 

-------------------

História

O troço da EN 2 confunde-se com a própria história, sendo que muitos segmentos já eram as principais vias romanas que atravessavam a Lusitânia.

Com o passar do tempo, as principais vias foram sendo melhoradas e ligadas umas às outras e até ao final do séc. XIX, grande parte daquela que é hoje a EN2 já era Estrada Real.

Em 1884, o percurso de Faro a Castro Verde passa a designar-se Estrada Distrital nº 128.

Com a implantação da república a estrada chega a Beja e ganha o título de Estrada Nacional nº 17, passando a chamar-se mais tarde a Estrada Nacional nº 19 - 1ª.[3]

Um dos grandes projectos do Estado Novo era a criação de uma estrada que ligasse o país de lés a lés pelo centro, e a partir de 1930 começaram a ser alcatroados os troços de pedra e de terra e construídas as ligações necessárias, até que em 1945 é classificada a Estrada Nacional nº 2 através do Plano Rodoviário Nacional de 1945, com o objetivo de ligar Chaves a Faro. Grande parte da N2 resultou da renumeração de estradas já existentes, mas alguns troços foram construídos nas décadas seguintes.

Aquando da sua criação, a estrada não estava completa, faltando construir o troço Alvares-Picha (concluída por volta de 1980), a travessia do rio Zêzere (completada em 1954 com a construção da barragem do Cabril) e a ligação Sertã--Vila de Rei (que viria a ser inaugurada em Maio de 1970).

Na Foz do DãoSanta Comba Dão, a N2 atravessava o rio Mondego através da imponente Ponte Salazar (aberta em 1935) que estabelecia também os limites dos concelhos de Santa Comba DãoPenacova e Mortágua, dividia os distritos de Coimbra e Viseu e separava a Beira Litoral da Beira Alta. Em inícios da década de 1980, essa ponte foi submersa pela Barragem da Aguieira (assim como a aldeia da Foz do Dão). O trajeto da N2 passou a efetuar-se por uma variante de 7 km entre as aldeias de Chamadouro e Oliveira do Mondego. Na década de 1990 esta variante foi aproveitada para o traçado da via rápida IP3.

Antes da aprovação do Plano Rodoviário Nacional de 1985, a N2 era a mais longa estrada do Estado em Portugal, com um comprimento de 738,5 km que atravessava 11 dos 18 distritos. No entanto, se em Trás-os-Montes e Alto Douro e no distrito de Viseu a N2 cruzava capitais de distrito (Vila Real e Viseu) e cidades de média dimensão (Chaves e Lamego), a sul dessas regiões (i.e. aproximadamente nos restantes 500 km), a estrada desenvolvia-se longe de qualquer cidade principal até perto do seu fim em Faro. Ao longo das décadas, a N2 nunca teve um tráfego autónomo que justificasse a sua importância no Plano de 1945 e a longa Estrada Nacional acabou por se tornar numa coleção sequencial de troços regionais.[2] O falhanço da N2 neste aspeto provou que a principal ligação entre as regiões do norte e do sul de Portugal deveria sempre cruzar a área metropolitana de Lisboa (como hoje acontece com o IP1 e o IC1).[2]

Em 1963, a aprovação do Decreto-Lei 44924 introduziu alterações na zona do Sardoal. A partir dessa data, a ligação São Domingos-Sardoal passou a chamar-se Nacional 358-3 e a ligação Sardoal-Abrantes passou a designar-se Nacional 244-3. A Nacional 2 ficou interrompida nessa zona, persistindo essa situação até 1995, ano em que foi aberta a nova variante Vila de Rei-Abrantes.

Em 1985 foi aprovado um novo Plano Rodoviário Nacional, que substituiu o de 1945 e modificou profundamente a classificação da rede de estradas portuguesas. Com efeito, em Trás-os-Montes e Alto Douro e no distrito de Viseu, esse documento defendia a construção da estrada rápida IP3, que seguiria paralela à N2. Com efeito, o Plano defendia que a N2 deveria ser desclassificada para estrada municipal (M2) nessas regiões, pois seria substituída pela via rápida IP3. A sul do distrito de Viseu, praticamente nenhuma das estradas principais incluídas no Plano de 1985 seguia o eixo da antiga N2. O Plano Rodoviário Nacional de 1985 defendia a desclassificação da N2 para estrada municipal exceto em seis troços: Góis–Portela do Vento, SertãPonte de SorOdivelasFerreira do AlentejoErvidelAljustrelCastro VerdeAlmodôvar e São Brás de AlportelFaro.[4]

Em 1995 foi concluída uma variante de 24 km entre Vila de Rei e Abrantes (parte do troço Sertã–Ponte de Sôr).[5]

Em 1998 foi aprovado o Plano Rodoviário Nacional de 2000, que substituiu o de 1985. Este Plano criou uma nova categoria de estradas, as Estradas Regionais. O Plano de 2000 acrescentou três troços à N2: Santa Marta de PenaguiãoRégua (IP3), Viseu (IP3)–Viseu (IP5) e Montargil (IC13)–Mora. O Plano Rodoviário Nacional de 2000 encurtou o troço SertãPonte de Sor (que passou a ligar apenas Sertã a Abrantes), manteve inalterados os troços ErvidelAljustrelCastro VerdeAlmodôvar e São Brás de AlportelFaro e eliminou o lanço Odivelas–Ferreira do Alentejo. Em conclusão, de acordo com o Plano Rodoviário Nacional de 2000, a N2 consistia de 8 troços separados entre si. O troço Santa Marta de Penaguião–Régua era um sinuoso troço já construído da N2; ao ser classificado como estrada nacional, permitiu que a vila de sede de município de Santa Marta de Penaguião ficasse ligada por uma estrada do Estado ao IP3 e ao resto da rede rodoviária estatal. O troço Montargil–Mora também era um troço já construído da N2. Já o troço Viseu (IP3)–Viseu (IP5) da N2, proposto pelo Plano de 2000, seria uma estrada construída de raiz; este troço abriu em maio de 2001, em formato de via rápida com 2 faixas de rodagem e servia para ligar as vias rápidas com 1 faixa IP3 e IP5 ao longo do sul da cidade de Viseu. O Plano Rodoviário Nacional de 2000 defendia que deveriam ser classificados como estrada regional (R2) e não como estrada municipal os troços da antiga N2 PenacovaGóis, Portela do Vento–Pedrógão Grande (IC8), MoraErvidel (o qual incluía o antigo troço da N2 entre Odivelas e Ferreira do Alentejo), AljustrelCastro Verde e AlmodôvarSão Brás de Alportel.[6]

Em julho de 1999 o Plano Rodoviário Nacional de 2000 foi revisto. O troço Sertã (IC8)–Abrantes (IP6) da N2 foi retirado da rede de estradas nacionais e, logo, proposto para desclassificação.[7] Por outro lado, o lanço AlmodôvarSão Brás de Alportel voltou a fazer parte da N2; este lanço localizava-se entre os troços da N2 Castro VerdeAlmodôvar e São Brás de AlportelFaro, o que permitiu criar um troço contínuo de 95 km da N2 entre Castro Verde e Faro.[1]

Em 2003, o troço entre Almodôvar e São Brás de Alportel (55 km) foi requalificado como Estrada Património.[8] A intervenção incluiu a melhoria do pavimento, criação de áreas de repouso, restauro das casas de cantoneiros, abate de espécies invasores (acácias), poda de árvores e arbustos junto à estrada e reabilitação de miradouros e fontanários.[8]

Em agosto de 2003 foi publicada uma segunda revisão do Plano Rodoviário Nacional de 2000. Neste contexto, o troço Sertã (IC8)–Abrantes (IP6) voltou a fazer parte da N2, enquanto que o lanço Montargil (IC13)–Mora foi desclassificado para estrada municipal.[1]

Em 2006, o troço IP3IP5 da N2 (aberto em 2001) foi integrado no traçado da A25. Em consequência, a N2 passou a ser constituída por cinco troços: Santa Marta de PenaguiãoPeso da Régua (A24), Góis (N342)–Portela do Vento (N112), Sertã (IC8)–Abrantes (IP6), Ervidel (N18)–Aljustrel (N263) e Castro VerdeFaro.

Em Novembro de 2016 foi criada a Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, um projecto turístico que une as cidades de Chaves a Faro, englobando 33 municípios[9], com o objetivo dinamizar o turismo ao longo do itinerário da antiga N2.

Em abril de 2019 estava a ser estudada a requalificação do troço final da N2 entre São Brás de Alportel e Faro, passando pelo nó com a Via do Infante. A requalificação inclui correção de curvas e adição de uma via para lentos em algumas subidas.[10]

-------------------

Caracterização

Santa Marta de Penaguião–Régua (A24)

Este lanço liga a vila de Santa Marta de Penaguião ao nó 11 da atual autoestrada A24 (antiga via rápida IP3). Este troço tem cerca de 6 km de extensão[11] é uma estrada muito sinuosa, que atravessa a paisagem vinícola do vale do Corgo, que está inserida na Região Vinhateira do Alto Douro.

Góis (N342)–Portela do Vento (N112)

Este lanço inicia-se próximo da vila de Góis (rotunda com a N342) e termina no lugar não habitado da Portela do Vento (entroncamento com a N112). Este troço tem cerca de 12 km de comprimento[12] e faz parte da ligação por Estrada Nacional entre Coimbra e interior do seu distrito: com efeito, este troço da N2 começa na N342 (estrada proveniente de Condeixa-a-NovaMiranda do Corvo e da Lousã) e termina na N112, que dá ligação a Pampilhosa da Serra e Oleiros. Este troço da N2 é muito sinuoso, pois atravessa a Serra da Lousã.

Sertã (IC8)–Abrantes (A23)

Este troço liga o IC8, na Sertã, à A23 (antigo IP6), em Abrantes, passando por Vila de Rei e Sardoal. Tem cerca de 44 km de extensão.[13] Embora atravesse uma região montanhosa, este troço permite velocidades relativamente elevadas e chega a ter uma terceira via nas subidas. Isto deve-se ao facto de uma grande parte deste troço ser constituída por variantes construídas nas décadas de 1990 e 2000.

Ervidel (N18)–Aljustrel (N263)

Este lanço localiza-se no Alentejo e liga Ervidel (N18) a Aljustrel (N263). Tem cerca de 25 km de extensão[14] e faz parte da ligação entre a cidade e capital de distrito Beja e a vila de Odemira.

Castro Verde–Faro

 
Placas quilométricas em Faro ao Km 738,5 junto ao marco que indica o fim da Estrada Nacional nº2. Este local assinala o ponto em que a Nacional 2 entroncava na antiga Estrada Nacional 125.

Atualmente, é o mais longo troço da N2 e era o troço final da antiga estrada. Com uma extensão de cerca de 93 km,[15][nota 1] liga a vila alentejana de Castro Verde (IP2) a Faro (capital do Algarve), passando por Almodôvar, cruzando as serras que separam o Alentejo do Algarve e passando em São Brás de Alportel. Entre as vilas alentejanas de Castro Verde e Almodôvar a N2 tem um traçado retilíneo, mas depois de Almodôvar a N2 torna-se numa estrada muito sinuosa devido à travessia da Serra do Caldeirão.

Antes da construção da via rápida para o Algarve (IP1, atual IC1) na década de 1980, este troço da N2 era bastante movimentado, pois fazia parte da ligação entre Lisboa e o Algarve. Em 2003, o troço entre Almodôvar e São Brás de Alportel (55 km) foi requalificado como Estrada Património.[8]

Antigos troços

Viseu (IP3)–Viseu (IP5) (integrado na A25)

O Plano Rodoviário Nacional de 2000 incluía um sexto troço da N2, que era a ligação entre as vias rápidas IP3 e IP5, a sul da cidade de Viseu. Este lanço de 10 km[18] abriu em maio de 2001[19] e era uma via rápida com 2+2 vias de rodagem. Em 2006, este troço foi integrado na A25.

Antiga N2 (desclassificado para estrada regional ou municipal)

A Estrada Nacional n.º 2 conforme definida pelo Plano Rodoviário Nacional de 1945 atravessava Portugal continental de Norte a Sul e era a estrada de maior extensão do país, tendo o seu início em Chaves (Km 0) e terminando ao Km 738,5 em Faro, passando por onze distritos (Vila RealViseuCoimbraLeiriaCastelo BrancoSantarémPortalegreÉvoraSetúbalBeja e Faro), oito províncias (Trás-os-Montes e Alto DouroBeira AltaBeira LitoralBeira BaixaRibatejoAlto AlentejoBaixo Alentejo e Algarve), 4 serras, 11 rios e 32 concelhos.[20][21][22] Atualmente, na sequência da aprovação dos Planos Rodoviários Nacionais de 1985 e de 2000, diversos troços foram desclassificados, passando a ser estradas regionais (ER2), outros passando a estrada municipal (EM2)[23]

 

-------------------

Imagens e texto postado no site do Municipio de Castro Daire

(https://www.cm-castrodaire.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1040&Itemid=318)

sample

A Estrada Nacional 2, que liga Portugal de Norte a Sul, desde Chaves a Faro é a terceira estrada mais extensa do mundo, com 738,5 Km, marcando já a sua presença no top das melhores Road Trips, tendo vindo a ganhar notoriedade não apenas por atravessar o interior do país mas também por dar a conhecer a genuinidade e diversidade cultural e gastronómica.

Com o objetivo de promover e valorizar a Estrada e os vários municípios que a integram, foi criada a Associação de Municípios da Rota Nacional 2. Atualmente pertencem a esta Associação 33 municípios, incluindo Castro Daire.

A Rota N2 engloba quatro patrimónios mundiais: Alto Douro Vinhateiro, Barro de Bisalhães, Cante Alentejano e o Chocalho.

Percorrer esta Estrada é viver e valorizar o que de melhor cada município tem para mostrar e oferecer, algo distintivo e ímpar, tornando esta viagem inesquecível e numa referência de valorização destes territórios.

Castro Daire com as suas deslumbrantes paisagens ao longo da N2, permite desfrutar de novas experiências despertando o interesse em partir à descoberta deste território mágico.

A Serra do Montemuro esconde autênticos tesouros nas suas encostas, os inúmeros ribeiros formam admiráveis quedas de água que se vão juntar ao Rio Paiva, um dos mais belos e despoluídos da Europa.

A gastronomia castrense é rica e suculenta, apresentando iguarias de referência. O artesanato de excelência, o património histórico-cultural e a hospitalidade castrense são, também, marcos importantes .

As Termas do Carvalhal, situam-se junto da N2, que, para além de apresentar um agradável ambiente natural, são cada vez mais um referência de saúde e bem-estar, convidando os visitantes a desfrutar de sensações relaxantes.

O Município disponibiliza o carimbo no Museu Municipal, Centro de Interpretação e Informação do Montemuro e Paiva, Balneário das Termas do Carvalhal e ainda nos Bombeiros Voluntários de Castro Daire.

Os passaportes e guias de bolso da Estrada N2, podem apenas ser adquiridos no Centro de Interpretação e Informação do Montemuro e Paiva.

-------------------

Reabertura Da EN2 Em Castro Daire Prevista Para O Verão

https://www.noticiasdeviseu.com/reabertura-da-en2-em-castro-daire-prevista-para-o-verao/

 

https://gazetadabeira.pt/municipio-de-castro-daire-adere-a-rota-da-en2/

en2.07.CastroDaire.png

Pontos de interesse de Castro Daire:

Baloiço da Granja, Casa-Museu Maria da Fontinha, Cascata da Pombeira, Fonte dos Peixes, Igreja Matriz de Castro Daire, Jardim das Termas de Carvalhal, Orca de Pendilhe, Orca do Picoto do Vasco, Penedo da Saudade, PR1 Trilho dos Moinhos, PR8 CDR Trilho da Pombeira, Praia Fluvial de Vila Cova e Serra de Montemuro.

Serra de Montemuro.png

A Serra de Montemuro é a oitava maior elevação de Portugal Continental, com 1382 metros de altitude. Situa-se nos concelhos de Arouca (distrito de Aveiro), Cinfães, Resende e Castro Daire e Lamego (distrito de Viseu) e entre as regiões do Douro Litoral e da Beira Alta. A altitude média é de 838 metros. Está compreendida entre o rio Douro, a Norte e o rio Paiva, a sul, confina com a cidade de Lamego. O ponto mais alto da serra é denominado por Talegre ou Talefe, a 1.381 metros de altitude. Toda a serra tem bastante relevo e é íngreme praticamente de todos os lados. A serra é povoada até cerca dos 1.100 metros de altitude, as aldeias encontram-se espalhadas por toda a serra, mas quase sempre perto de cursos de água, como o rio Bestança que a divide na direcção Sul-Norte. A Serra de Montemuro, faz parte da 1ª fase da lista nacional de sítios da rede natura 2000. Está classificada como BIÓTOPO CORINE, com designação de Serra do Montemuro/Bigorne. Na descrição que o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) faz, destaca-se a grande biodiversidade, resultado do bom estado de conservação dos vários tipos de habitat que aí se encontram representados – alguns deles de considerável valor conservacionista, como as turfeiras activas (habitat prioritário-) e mais concretamente a vasta comunidade de vertebrados, da qual fazem parte inúmeras espécies com estatuto de ameaça, como, por exemplo, o lobo (Canis lupus). De acordo com Censo Nacional de Lobo 2002-2003, a Serra de Montemuro é um dos últimos refúgios desta espécie a sul do Douro. A escassez de presas naturais e domésticas, assim como a pressão exercida pela construção de Parques Eólicos (abertura de acessos e aumento a perturbação humana), constituem os principais factores de ameaça. Existem praticamente em toda a serra, diversas espécies de aves, como por exemplo: as perdizes (Alectoris rufa), galinholas (Scolopax rusticola), águia de asa redonda (Buteo buteo), pombo-trocaz (Columba palumbus), melro preto (Turdus merula), mocho-de-orelhas (Otus scops), tentilhão comum (Fringilla coelebs), estorninho preto (Sturnus unicolor), rouxinol comum (Luscinia megarhynchos), mas para além destas aves existem muitas outras, mas estas são as que mais se vêm, e são as mais comuns na serra. Em toda a serra são comuns mamíferos, como os musaranhos (Crocidura sp.), a toupeira (Talpa occidentalis), o coelho-europeu (Oryctolagus cuniculus), a fuinha (Martes foina), a lebre (Lepus granatensis) e a raposa (Vulpes vulpes), javali (Sus scrofa), doninha (Mustela nivalis), texugo (Meles meles). Na serra existe também a ameaçada víbora cornuda (Vipera latastei), que é umas das duas únicas cobras venenosas perigosas que ocorrem em Portugal (a outra é a víbora-de-seoane). O seu veneno pode ser fatal em crianças, idosos ou pessoas debilitadas. Num adulto saudável a mordedura é muito dolorosa, mas em geral não é fatal. Ainda existem os caçadores de víboras, que ilegalamente capturam espécimes dos quais aproveitam apenas a cabeça. Esta situação tem contribuído para piorar a sua situação no nosso país (actualmente é uma espécie com estatuto de ameaça vulnerável). A flora de toda a Serra de Montemuro é bastante rica. Nas encostas da serra, mas praticamente no fundo da serra predominam as plantações de pinheiro (Pinus pinaster), acompanhado do carvalho-roble ou carvalho-alvarinho (Quercus robur) e o castanheiro (Castanea sativa), sendo que este último nunca aparece acima dos 1.000 metros. Nas margens dos ribeiros predominam o amieiro (Alnus glutinosa), o salgueiro (Salix spp.), a borrazeira branca (Salix salvofolia), a borrazeira preta (salix atrocinerea) e o freixo (Fraxinus angustifolia). Na “Crista da Serra”, acima dos 1000 metros, encontra-se uma vegetação arbustiva, onde predominam o tojo (Ulex spp) e as urzes, como a urze vermelha (Erica australis), a urze branca (Erica arborea), a queiró (Erica umbellata), sargaço branco (Cistus psilosepalus), a giesta branca ou giestas das serras (Cytisus multiflorus), e os fetos (Asplenium spp.). A carqueja (Pterospartum tridentatum), encontra-se por toda a serra, mas é mais frequente no lado Sul onde chega a ocupar grandes espaços. Existe uma espécie pouco vulgar nesta região, que é o piorno bravo (Echinospartum lusitanicum), é uma espécie vulnerável, encontra-se a 1317 metros de altitude, na parte sul da Serra, e encontra-se ainda a 1370 metros. Esta espécie floresce no início do mês de Junho. As espécies arbóreas variam consoante a formação geológica, como por exemplo, o azevinho (Ilex aquifolium), que é uma espécie rara e protegida, o amieiro e o salgueiro.

https://www.youtube.com/watch?v=OjLMYs1k3CA

N2.png

A ROTA EN2 ...

"Bloco de Notas" vs "Auxilios"

https://omundoemduasmochilas.com/2020/09/06/roteiro-de-6-dias-pela-estrada-nacional-2/?fbclid=IwAR0pxxQuHljFmxBZQp_z6xrtTawJLlNGD_BonWbxxnhjDCP7DUSQA_sUFrI

 

https://www.publico.pt/2019/08/02/culturaipsilon/noticia/percorrer-rio-estrada-1881582?fbclid=IwAR1YFd5B6U5GhHxTHGxo0RH-w0q0SCCiW32DV19YKqjnwCnyFeS5lxxCjhM

https://www.sjhotel.pt/percorrer-estrada-nacional-2.html

 

https://www.jn.pt/opiniao/cristina-azevedo/de-chaves-a-faro-11227787.html

 

https://nabicicleta.com/2018/10/01/dois-mecos-a-conquista-da-velha-estrada-n2-ou-a-minha-melhor-aventura-a-pedais/#jp-carousel-19713

 

 

 

https://www.google.com/maps/@40.7170712,-7.8252288,8.19z

 

https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1fekWfPEPIUNc4bLKd7qlYQBRBro_hK9B&shorturl=1&ll=41.68870880493095%2C-7.013209766930926&z=7&fbclid=IwAR1tpsebqgTenaTdsBt_Bxd5JnNrwxKUTDSFwIYqsw9VbU0bKAAo85dOZh4

 

https://emotionsinbeiras.blogs.sapo.pt/en2-etapa-1-chaves-a-vila-real-6049

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=RY7lxLsQBr8

 

https://www.youtube.com/watch?v=AaYDaUx93fc

 

https://www.estaestrada.com/2019/11/23/etapa-2-viseu-aguieira-parte-2/

 

O Ciclista Improvavel

ESTRADA NACIONAL 2 / ETAPA 1 CHAVES - LAMEGO 

https://pt.wikiloc.com/trilhas-ciclismo/n2-chaves-lamego-etapa-1-85264437

Este é o primeiro de 6 episódios sobre a Nacional 2. A etapa 1 foi Chaves-Lamego. Uma viagem documentada por mim da melhor forma possível enquanto me superava a todos os níveis para concluir esta viagem que começou lindamente mas por pouco não teve de ser cancelada devido a um alerta amarelo. Acompanhem tudo aqui durante as próximas semanas.

CiclistaImprovavel3.png

https://www.youtube.com/watch?v=5WwZzMhanJ8

 

O Ciclista Improvavel

ESTRADA NACIONAL 2 / ETAPA 2: LAMEGO - PENACOVA

https://pt.wikiloc.com/trilhas-ciclismo/n2-etapa-2-lamego-penacova-86329965

Este é o vídeo da segunda etapa da Nacional 2. De Lamego a Penacova estava prevista uma etapa de 140km, mas acabou por se fazer 160km devido a um desvio para se carimbar o passaporte. Com paisagens mais comuns esta foi uma das maiores etapas... mas não quer dizer que não tenha havido dias mais duros de viagem... ainda mal sabíamos o que ai estava por vir no final de 3 etapa.

CiclistaImprovavel.png

https://www.youtube.com/watch?v=DCpfD_7l7wo

 

O Ciclista Improvavel

ESTRADA NACIONAL 2 / ETAPA 3: PENACOVA - SERTÃ

https://pt.wikiloc.com/trilhas-ciclismo/n2-etapa-3-penacova-serta-87103096

Mais um episódio da Nacional 2. Etapa 3! De Penacova a Sertã foi uma aventura só por si... o que começou por ser um dia com um céu lindo e azul... terminou debaixo de chuva devido a uma depressão que se aproximou de Portugal. Desde as paisagens lindas da zona de Góis, doces regionais, chuva e frio... este foi até agora o episódio mais intenso e um dos dias mais duros de viagem. Espero que gostem. Já começa a dar saudades ver estas imagens.

CiclistaImprovavel2.png

https://www.youtube.com/watch?v=fvqSeiXjqlA

 

O Ciclista Improvavel

NACIONAL 2 DOCUMENTÁRIO EM BICICLETA (TRAILER)

Está a chegar um documentário de seis episódios sobre os 738km da Nacional 2. Uma viagem épica em bicicleta que cruza Portugal de uma ponta à outra. Ainda a assimilar tudo o que vivemos durante estes dias fica aqui o trailer desta aventura que nunca iremos esquecer. Os lugares, os cheiros, as pessoas que se cruzaram no nosso caminho, assim como as dificuldades que surgiram enquanto tentava documentar em vídeo uma das minhas maiores superações físicas e mentais são memórias que vão sem dúvida ficar para sempre, assim como estes 6 episódios. Fiquem atentos ao meu canal de youtube: www.youtube.com/ociclistaimprovavel

CiclistaImprovavel3a.png

https://www.youtube.com/watch?v=B3zmTJ25WfU

--- :::::::::: ---

sample

https://www.youtube.com/watch?v=3IoCgoQx9Ls

 

https://omundoemduasmochilas.com/2020/09/06/roteiro-de-6-dias-pela-estrada-nacional-2/

https://omundoemduasmochilas.com/2020/09/06/roteiro-de-6-dias-pela-estrada-nacional-2/

 

 

 

https://www.evasoes.pt/noticias/de-chaves-a-faro-beleza-da-estrada-nacional-2-da-que-falar-nos-eua/595993/?fbclid=IwAR0UNoUNyYwtk82DIItpXQt08vtMGjTM6KZ0dF-_kPIp-er6zNqqKV4TuAw

 

https://www.publico.pt/2017/08/14/local/noticia/foz-do-dao-a-aldeia-que-desapareceu-ha-30-anos-volta-a-superficie-1782309

https://www.dn.pt/pais/santa-comba-dao-garante-que-nao-vao-ser-exibidas-estatuas-de-salazar-11642488.html

 

 

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/29-ago-2020/estrada-nacional-2-a-viagem-que-nos-mostra-portugal-como-ninguem-12559155.html

https://pplware.sapo.pt/smartphones-tablets/en2-chegou-a-app-de-apoio-turistico-a-rota-da-estrada-nacional-2/

https://jornaldeabrantes.sapo.pt/sociedade/2-mil-motos-do-portugal-de-les-a-les-chegaram-a-abrantes-c-audio-video-e-fotos

 

https://travelhealthyspirit.com/roteiro-estrada-nacional-2-dia-3-sao-pedro-do-sul-a-lousa/

 

 

https://www.evasoes.pt/ar-livre/um-roteiro-pela-en2-do-sul-ao-norte-do-pais/147034/

https://www.continuandoaprocura.com/a-mitica-estrada-nacional-2/

https://docplayer.com.br/7373540-Passaporte-entre-serra-da-lousa-e-zezere.html

https://www.viajarentreviagens.pt/portugal/estrada-nacional-2-roteiro-dormir-comer-ver-e-fazer/

https://www.pinterest.pt/pin/825143962971572070/

https://www.visitcastrodaire.pt/estrada-nacional-2/

https://www.jn.pt/opiniao/cristina-azevedo/de-chaves-a-faro-11227787.html

 

https://www.viajarentreviagens.pt/portugal/estrada-nacional-2-roteiro-dormir-comer-ver-e-fazer/

https://amantesdeviagens.com/conhecer-portugal/mini-escapadelas/roteiro-completo-de-8-dias-para-conhecer-a-mitica-estrada-nacional-2-portugal/

https://www.facebook.com/pg/EN2emfotografia/posts/

https://www.publico.pt/2019/08/20/politica/noticia/antonio-costa-percorre-en2-fonte-inspiracao-eleicoes-outubro-1883902?fbclid=IwAR12vOQjgh9SfS7bThGU4K19JU22OeERhpEvd7DZENE8ph1eqlNZBJRhdHo

 

https://www.vagamundos.pt/visitar-serra-lousa-aldeias-xisto/

https://www.vagamundos.pt/visitar-serra-lousa-aldeias-xisto/

https://www.impulsiveaddiction.com/lousa-gois-talasnal-o-que-fazer/

https://viajeportugal.com/rota-estrada-nacional-2/

https://www.jn.pt/desporto/-atleta-da-povoa-de-varzim-correu-os-738-quilometros-da-en2-em-145-horas-13824466.html?fbclid=IwAR3xoBCKkRmawairpi5ZZF79X1ZWjfTm6zEgbVnDotvuAkM_-b9YZzidf1A

 

https://www.rtp.pt/play/p6295/e449761/estrada-nacional?fbclid=IwAR0ZI0zSZvIEV-7rWFHRDOMS9G63Dp4Y7uJXQApbYpbuG2Zh8OGqeMPh6h8

 

http://www.a-gentesemviagem.com/portugal-1/en2-roteiro/

https://omundoemduasmochilas.com/2020/07/24/dia-2-de-santa-marta-de-penaguiao-a-viseu/

https://www.jn.pt/nacional/especial/cidades-do-interior-a-espera-de-outro-verao-em-pleno-13890992.html?target=conteudo_fechado&fbclid=IwAR06vZKPvUMvvJLMqdrEvUcVEv5NNCWiBHiX0bYS57s79tWYkBmjkeunIQw

https://www.dn.pt/local/estrada-nacional-2-a-atracao-turistica-de-norte-a-sul-que-da-impulso-aos-negocios-13800775.html?fbclid=IwAR2dX38VTeUNMv5urc7vIUZMwNFWpldueM07ScOBc5ad0dcz0AjJbH81MMY

https://www.facebook.com/Rotaen2/posts/de-chaves-a-faro-doze-mulheres-percorrem-en2-de-bicicleta-para-dar-visibilidade-/1153646604804701/

 

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/29-ago-2020/estrada-nacional-2-a-viagem-que-nos-mostra-portugal-como-ninguem-12559155.html

http://fitadeasfalto.blogspot.com/2018/11/en2-ao-contrario-12.html

https://www.notavelabrantes.com/post/abrantes?fbclid=IwAR25_ZcW3087G8Y4H-Z7O0FHM6E64NvLa0lxu5hp_KuA1aoMhUDXuaO6mJs

https://www.awm-portugal.com/2019/04/30/viseu-portugal-historia-regiao-vitivinicola-industria-e-turismo/

https://nabicicleta.com/2018/10/01/dois-mecos-a-conquista-da-velha-estrada-n2-ou-a-minha-melhor-aventura-a-pedais/

https://nabicicleta.com/2018/10/01/dois-mecos-a-conquista-da-velha-estrada-n2-ou-a-minha-melhor-aventura-a-pedais/

https://www.estaestrada.com/2019/11/23/etapa-2-viseu-aguieira-parte-2/

https://www.estaestrada.com/2019/11/07/estrada-nacional-2-2-minutos-de-inspiracao/

https://www.publico.pt/2020/07/27/fugas/noticia/rtp-fazse-estrada-nacional-2-sao-nove-dias-directos-1926048?fbclid=IwAR2sRsuW2W1Q47OKIE9TO0PE5MP7807dh8EG-cAZzbBShI_M8f0YORhqFK8

https://multimedia.expresso.pt/portugalpordentro/?fbclid=IwAR0QX7v2HcN2aF8y4__O1ZmJZQMujx9Y20hlzAElChK9m8JVtiQFwzL6SnM

https://www.tsf.pt/portugal/economia/confederacoes-patronais-admitem-regresso-a-concertacao-social-apos-reuniao-com-costa--14288711.html

 

https://sicnoticias.pt/especiais/tragedia-em-pedrogao-grande/2021-11-10-Documentario-de-Di-Caprio-sobre-Pedrogao-Grande-estreia-em-2022-42528305?utm_source=onesignal&utm_medium=notification&utm_campaign=cultura&utm_content=Documentrio+de+Di+Caprio+sobre+Pedrgo+Grande+estreia+em+2022

https://viagens.sapo.pt/viajar/viajar-portugal/artigos/parta-a-aventura-e-faca-uma-roadtrip-pela-en2-a-estrada-mais-comprida-de-portugal-de-autocaravana?fbclid=IwAR12tH0mwPJXNGB_e2DOC3cN8pH5W08a7FAhuQ6faqwI29LvpIjDqQo78ps

 

https://sicnoticias.pt/desporto/2019-04-04-Atleta-amador-quer-fazer-a-correr-em-7-dias-os-mais-de-700-km-da-EN2?fbclid=IwAR365t8bbrw0tnaEhulGv8TYBzKMMiLm9A5KxDlAhwCSQaXlF5EnEN7Wd-s

 

https://www.mediotejo.net/a-descoberta-afonso-reis-cabral-e-escritor-e-descobriu-a-pe-os-738km-da-en2/?fbclid=IwAR1Bd4m8lLcsENUpXOVZS79y9SQyBEKX44mjVbz2kXZL8eYHKy-5MF_n7GI

 

N2.png

 

A ROTA EN2 ... "Bloco de Notas"

do Alentejo, Algarve ... e Estremadura

 

 

https://cascalenses.blogs.sapo.pt/o-castelo-de-montemor-o-novo-e-a-13323

https://regiao-sul.pt/2020/08/25/sociedade/faro-instala-marco-comemorativo-dos-75-anos-da-en2-no-plano-rodoviario-portugues/509816

 

 

 

 

 

 

 

 

en2.Faro.png

en2.KM738.png

 Paragem junto da rotunda do Km 738, para registar a chegada a Faro. Tenham em atenção que não existem passadeiras para aceder à rotunda, pelo que o devem fazer com precaução e sem transtornar quem se encontra em circulação. Somos apologistas de deixar sempre tudo tal e qual como encontramos, pelo que não pintem ou danifiquem nada daquilo que forem encontrando. Aqui, este nosso conselho não é excepção… (blog o mundo em duas mochilas)

Como dissemos inicialmente, numa roadtrip como estas tivemos de tomar muitas decisões e fazer opções no que toca aos locais de paragem e ao que visitar em cada um deles. As sugestões que apresentamos referem-se a isso mesmo, à estrutura que conseguimos e que optámos por realizar, para que fazer esta mítica estrada não fosse apenas percorrer o alcatrão mas sim viver o possível na sua máxima plenitude. Teríamos certamente muito mais para ver e conhecer ao longo do caminho, mas ficará para uma repetição desta experiência única. (blog o mundo em duas mochilas)

https://omundoemduasmochilas.com/2020/09/06/roteiro-de-6-dias-pela-estrada-nacional-2/

Monumentos Megalíticos pelo Alentejo

Fizemos um ligeiro desvio à rota da N2 que muito aconselhamos. Conhecemos alguns lugares esquecidos da região que merecem uma paragem de contemplação. A Anta de Pavia e a Anta do Livramento, são dois monumentos megalíticos que se encontram nos arredores da N2, que nos transportam momentaneamente para outros tempos.

(Quilometro Infinito) https://quilometroinfinito.com/rota-patrimonio-da-estrada-n2/

Antas Alentejanas.png

Estrada Nacional 2 - Entre Escoural e Castro Verde

Estrada N2. Entre o Escoural e Castro Verde.

Estrada N2. Entre o Escoural e Castro Verde.

Estrada N2. Entre o Escoural e Castro Verde.

Pág. 1/5



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2018
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2017
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2016
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2015
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ


subscrever feeds